Aqui você poderá encontrar muito de mim e espero com isso revelar o que ainda não sabe sobre você. Calma, aqui não será um espaço esotérico. Mas, acredito que no contato com o outro/a descobrimos quem verdadeiramente somos. Sinta-se a vontade em viajar comigo nesses escritos e saiba que o conhecimento é um processo, é uma construção, em que todos/as nós fazemos parte das diversas etapas de sua edificação. Participe desta aventura, venha pescar comigo nesse grande mar que é a vida, onde costuraremos histórias e reflexões acerca dos nossos sentimentos, pensamentos e das coisas da vida, as coisas do dia-a-dia que nos rodeiam.

Seguidores

Postagem em destaque

Eu sempre estive perto de você

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Costura Musicada - Descobrimos Nós Dois (Daniel Chaudon)



Segunda-feira, dia de costura musicada, e hoje, nossa costura musicada é de Daniel Chaudon*, cantor e compositor brasiliense, com sua voz de timbre marcante, emocionante é mais uma das belas vozes revelação da música popular brasileira, e lançou recentemente seu CD de estreia, “Me conta uma música”, composto por 14 canções, na sua maioria inéditas. Quem não o conhece vale a pena parar e ouvir suas canções, no LetrasMus é possível ouvir uma lista de vinte e duas canções do compositor da costura musicada de hoje (Daniel Chaudon), a maioria com vídeos do cantor. Na Costura Musicada de hoje, Descobrimos Nós Dois, cantando com Daniel Chaudon está Tais Alvarenga, cantora e também compositora, que junto a Daniel Chaudon, faz parte do Projeto Sarau - recém-lançado pela Universal Music – projeto coletivo que apresenta o talento de sete jovens artistas brasileiros, são apresentados sete 'novos talentos da MPB' como está apregoado na capa do projeto. E Tais Alvarenga é a única voz feminina do projeto. Os outros cinco que fazem parte do Sarau são: Gugu Peixoto, João Guarizo, Toni Ferreira e a dupla formada por Aureo Gandur e Fred Sommer. Cada artista defende duas músicas - baladas, em sua maioria.

Sobre a Costura Musicada: Descobrimos Nós Dois: amores secretos, mas sempre evidentes, nas expressões, no olhar, nas manifestações e nos gestos inegáveis de quem ama. O medo muitas vezes nos impede de sair correndo e se entregar na vivência do amor que sentimos, o medo do inesperado, a incerteza do que está por vir que nos prende ao passado e nos faz não seguir em frente. Mas, amar é não temer e seguir, seguir rumo ao aconchego de quem amamos e nos ama, há quem ofereça amor, carinho, atenção, mas é preciso ser acolhido, e será maravilhoso se o coração que o receba seja aquele que provocou tal sentimento. Amor assim, recíproco e belo, causa estranheza e, é possível que surjam boatos querendo impedir que o amor aconteça, ou melhor, que a vivência desse amor partilhada perdure entre os dois. No tempo de espera por viver junto de quem se ama, poesias canções que falam de saudade, futuro, dor preenchem o vazio causado pela distância, mas sempre existirá, no coração amante, a esperança que o sorriso prevalecerá. Ao descobrirmos nós dois, logo soubemos que nossos risos iriam se juntar.

*Daniel Chaudon nasceu em junho de 1981, em Brasília, DF. Ainda bebê, saiu do país com a mãe, Kachanga, e o padrasto, que era diplomata. Morou no Canadá, Paris, Guatemala, República Dominicana, e Portugal. Retornou a Brasília aos nove anos e conheceu o pai biológico, o cantor, compositor e radialista Ricardo Nunes, que mudou a vida de Daniel pra sempre. Ricardo levava o filho para assistir seu trabalho nas rádios, o incentivava a ouvir todo tipo de música e carregava Daniel para os bares e festas nas quais ele se apresentava, quando Chaudon tinha 12, 13, 14 anos... Conheceu Cássia Eller e muitos outros artistas que despontavam na cena dos anos 90. Foi então que percebeu que a música, de fato, seria o seu caminho. Daniel montou uma banda, tocou pela cidade. Começou a compor com os amigos e mudou-se aos 15 anos para o Rio de Janeiro, onde veio morar com a avó. Cantou, por três anos, no coral da Igreja Nossa Sra. da Paz, em Ipanema. Em 2000, foi para Florianópolis, morar com a mãe e cantou pela noite da ilha, durante mais três anos. Em 2004, retornou ao Rio e participou da terceira edição do programa FAMA, da Rede Globo de Televisão, que lhe rendeu um grande aprendizado, em tantos sentidos e valores. Em 2008, conheceu muitos músicos e poetas e compositores de uma só vez. Foi no bar Capim Limão, na Barra da Tijuca. Lá ele também conheceu Maria Gadú, que na época cantava nas noites, com um público presente e fiel. Em 2010, conheceu a cantora pernambucana Nuria Mallena. Com ela e Luis Kiari, fizeram o show "Solo em Companhia", que rodou pelo sertão pernambucano. No início de 2011, conheceu o produtor Clemente Magalhães, através de uma amiga em comum, a atriz Alinne Moraes, hoje uma parceira no álbum que marca a sua estreia do cantor.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...